Como deixar o seu plano de saúde mais barato

Como deixar o seu plano de saúde mais barato

A busca por um plano de saúde mais barato é uma constante que se intensificou com a crise provocada pela pandemia da COVID-19. Tanto pessoas físicas quanto jurídicas pensam em estratégias para economizar e, no caso das empresas, fugir dos reajustes muitas vezes elevados impostos pelas operadoras.

Uma das ações tem sido adotar a portabilidade – ou a troca de um plano mais caro para um mais barato.

Mas não é preciso chegar a algo tão extremo. Antes de romper com o plano, há uma série de medidas a serem tomadas que podem reduzir o valor do contrato que você já tem com a operadora. Vamos a elas?

Recorra ao CNPJ

Se você ou alguém de seu núcleo familiar tem CNPJ (por exemplo, um MEI), compensa muito mais fazer o plano empresarial em vez do individual. Geralmente, os planos para empresas (especialmente para MEI) podem ser até 35% mais baratos que os individuais.

Mas atenção: não adianta abrir um MEI só para contratar um plano. A legislação exige que a empresa esteja aberta há pelo menos 6 meses, além de estar com toda a documentação em dia.

Coparticipação

Tanto para planos individuais quanto corporativos, a coparticipação barateia as mensalidades de forma significativa. Com ela, o beneficiário paga uma mensalidade menor, mas tem uma porcentagem descontada a cada procedimento que realiza.

A ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) limita esse desconto em no máximo 30% do valor total do procedimento. Com exceção de cirurgias e internações, em que esse custo é fixado em contrato e inclui todos os serviços associados (exames, UTI, etc).

Sem a coparticipação, o beneficiário paga uma mensalidade maior, mas não precisa se preocupar com valores adicionais quando utiliza a rede credenciada. Ou seja: a coparticipação compensa especialmente para quem usa pouco os serviços médicos.

Cobertura e abrangência

Quem não conhece o contrato do plano de saúde em detalhes pode se surpreender com os itens incluídos na cobertura ou na abrangência. Para empresas, por exemplo, não compensa pagar um plano nacional para funcionários que não viajam. Ou um plano com obstetrícia para homens solteiros e sem dependentes.

Também é possível escolher entre o plano ambulatorial ou apenas hospitalar. No ambulatorial estão permitidas consultas em clínicas e médicos; no hospitalar estão incluídos apenas atendimentos de urgência e emergência (Pronto Socorro) e outros serviços como internações e cirurgias.

Conte com a ajuda de especialistas

De forma geral, as operadoras de saúde não gostam de rever os itens do plano a fim de baratear os custos. A negociação direta é sempre mais difícil.

Por isso, para avaliar todas as variáveis e cruzar as necessidades do perfil de cada beneficiário para buscar um plano com melhor custo-benefício, é imprescindível buscar a ajuda de uma corretora especializada, como a Via Direta Seguros.

Nossos consultores fazem essas análises e têm um poder maior de negociação com as operadoras, além de uma grande quantidade de parceiros para garantir mais opções de planos para a melhor escolha. Tudo isso sem custo adicional, a não ser o valor do próprio plano.

Fale conosco para saber mais!